Tempo é vida.


Registros de um tempo vivido em uma sala de descompressão.


Quando (me) percebo, lá está ele de novo:

O tempo como pauta. A impermanência no som dos ponteiros, que ressoam a vida ...que passa.


Administrar o tempo, controlar o tempo, gerir o tempo.... e viver (n)o tempo? Será quando?


Tanta pressa! Tudo tão rápido, que poucos registros precisos se acomodam na memória e no coração.


Falta até o ar…

Respirar requer tempo. E um tempo pausado para a vida entrar em nós, cumprir seu destino, transformar-se e retornar ao mundo.


O tempo nos espera e pede nossa presença, com os olhos do coração atentos, com os pés aterrados no agora. O que chamamos de consciência.


Acalmemos…

Três respirações profundas….

Um sorriso para a alma, que nos olha com saudade de intimidade.


Respira e se pergunta:

Onde minha mente está agora?

Onde meu coração está agora?

Onde meu corpo está agora?


Onde minha alma quer estar?


Somos o efeito do que fazemos com o tempo.

A vida é o que acontece nele.

E o sentido da vida está nas memórias que construímos no tempo que nos é dado


… a cada respiração.



Flávia Vieira