Os afetos de quem escuta.


“E quando escutamos do paciente algo que discordamos? E quando escutamos algo que confronta nossa visão de mundo? E quando escutamos algo que toca nossas dores?”


“Como lidamos com tudo isso?”


Essas perguntas estiveram conosco na sessão de supervisão clínica de hoje. Poderíamos usar o termo técnico para isso: contratransferência. Eu resolvi denominar de temas atravessaDORES.


Sim. Há temas que nos atravessam, que encontram nossas dores, mesmo a gente acreditando que elas estão bem guardadas nas “gavetas do cuidado.”


São falas que atravessam o véu da terapeuta e reverberam nossa alma. Dói, desconforta, incomoda, assusta, surpreende...


...espanta.


Na alquimia da relação paciente x terapeuta, a contratransferência chega como um fenômeno humano de duas almas que se conectam e juntas, produzem um efeito que ressoa na humanidade do terapeuta.


Esse “contra” não se delineia como algo a ser negado ou combatido, mas considerado e integrado, para que retorne para a relação como intervenções mobilizadoras de consciência e saúde para ambos.


São movimentos vivos e dinâmicos, que proporciona ao terapeuta a possibilidade de se perceber mais profundamente, seja em seu espaço de supervisão e/ou de terapia.


Um dos recursos que mais utilizo e indico a quem faz supervisão comigo é o que chamo de “Escrita dos afetos”, um diário que mantenho comigo e alimento, a cada sessão finalizada, para registrar o que me toca e me mobiliza internamente. Uma ação simples e muito potente de autoconsciência.


Enquanto escrevo, gosto de visualizar o manejo da contratransferência como o símbolo do infinito.


O terapeuta escuta, em seu espaço interno observa o que toca sua humanidade e o que ressoa sobre o paciente, catalisa internamente e devolve como intervenções mobilizadoras.


O paciente, por sua vez, escuta, catalisa internamente e ressoa os novos insights para o terapeuta.


Nesse movimento infinito e ir e vir, não há certo nem errado, bom e ruim... há o fenômeno humano em um de seus momentos de maior beleza e riqueza:


... do encontro.


Flávia